OMS desclassifica transexualidade como transtorno mental

bandeira-trans

Finalmente, a transexualidade deixou de ser considerada como transtorno mental pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A condição não é mais um transtorno do gênero, mas ganhou nova Classificação Internacional de Doenças (CID-11), sendo diagnosticada como incongruência de gênero, uma condição relativa à saúde sexual.

Não se retirar completamente a transexualidade da CID é necessário para que a população trans tenha sua condição reconhecida pelos médicos e hospitais e possa obter acompanhamento médico caso deseje – considerando que, em muitos países, o sistema público ou provado não reembolsa o tratamento caso o diagnóstico não integre a lista.

A última revisão da norma havia sido realizada há 28 anos, quando a homossexualidade deixou de ser encarada como doença mental. Desde então, especialistas analisaram as informações científicas mais recentes para criarem outro padrão que pudesse ser usado por profissionais da saúde do mundo inteiro no que diz respeito à transexualidade.

Uma vez que não há evidências de que uma pessoa com um transtorno de identidade de gênero deva ter automaticamente um transtorno mental (embora aconteça muito frequentemente seja acompanhado de ansiedade ou depressão), a transexualidade se enquadra agora na nova classificação.

Os países têm até 1º de janeiro de 2022 para se adaptar à reformulação e continuar (ou iniciar a) oferecer políticas públicas de saúde para essa população – como o caso das cirurgias de redesignação sexual.

Comentários

Comentários

Adele Grandis: Taurina com ascendente em touro - isso explica muita coisa!