Jupat lança o disco “Toda Mulher Nasce Chovendo”

A transformação do ser humano é constante, podemos até não perceber mas dia a dia vamos tirando cascas e revelando um novo eu a cada momento. Mas em alguns momentos da vida essas mudanças são mais fortes e marcam a nossa existência de maneira profunda.

JuPat _ Crédito Anna Júlia Santos 4

Foi mais ou menos assim que a cantora Jupat se sentiu após finalizar uma relação de 10 anos e entender que era o momento de se apresentar como uma mulher para o mundo. Nessa transição Jupat compôs “Toda Mulher Nasce Chovendo” com 13 faixas que passam pelo trip-hop, rap em batidas muitas vezes melódicas.

“Compor era um jeito de aliviar a existência que, naquele instante, me transbordava. Não tinha nenhuma pretensão, mas, hoje, percebo que produzi um registro de resistência. É uma busca beauvoiriana do que significa não nascer, mas, antes disso, se tornar mulher”

As influências da cantora são diversas, passando pela música experimental e psicodélica brasileira, assim como nomes atuais como Flora Matos, Curumim, Baco Exu do Blues que se apresentam diluídas nas canções produzidas por Rasec, com alquimia final de Pipo Pegoraro, álbum tem o peso do rap, as experimentações transcendentais do trip-hop e as divagações de um corpo netuniano em melancolia tropical.

Jupat usa samples variados, como na canção ‘Paraísos Reais’ onde ela usa parte de uma entrevista da cantora Linn da Quebrada.

 

Para ouvir o disco basta clicar aqui: Youtube.

Comentários

Comentários

DUDX é editor-chefe da A Coisa Toda, artista, comunicador e produtor cultural.