Vertentes: um projeto de moda inclusiva voltada às anãs

nanismo_moda_2
Por mais que a indústria da moda aposte numa estratégia mais inclusiva no que diz respeito à extensão de sua grade de medidas, ainda falta opções para corpos que não correspondam aos ‘padrões’ que nos são impostos.

Recém-formadas em Moda pela Anhembi Morumbi, Amanda Matos, Ana Carolina Pires e Robleda Vaz se voltaram a um grupo específico de minorias para seu trabalho de conclusão de curso.

nanismo_moda_1

O TCC do trio consiste na Vertentes, uma marca de roupas para mulheres com acondroplasia (o tipo mais comum de nanismo). Baseada em estudos antropométricos, a coleção tem medidas correspondente à média de seu público-alvo (altura que varia de 1,20m a 1,40m, tórax e abdômen achatados e desproporção dos membros, entre outras características).

Bem estruturadas, as peças são confeccionadas em tecidos leves – como algodão, seda e sarja – e destinadas ao lazer noturno.

nanismo_moda_3

No vídeo de apresentação da linha, as meninas levantam algumas das dificuldades das anãs ao fazerem compras; como araras de difícil acesso e gastos extras com ajustes de roupas.

A ideia é inspirar outros designers a se atentarem a esse público, diminuindo assim a exclusão ainda onipresente do universo fashion.

 

 

 

Comentários

Comentários

Adele Grandis: Taurina com ascendente em touro - isso explica muita coisa!