Você é gay? O chefe quer saber

Lightning stormCom a legalização do casamento igualitário pela Suprema Corte dos Estados Unidos, muitas empresas estão interessadas em saber a orientação sexual de seus potenciais funcionários. Agora é comum que na entrevista de emprego ou cadastro no departamento de recursos humanos das firmas, o candidato se depare com tal pergunta íntima e pessoal.

A resposta é voluntária e não obrigatória, mas a importância dos empreendimentos na sexualidade de seus empregados visa justamente benefícios e melhorias para a fomentação da diversidade no ambiente de trabalho.

gaywork1

Dentre as companhias que já coletam a orientação sexual e identidade de gênero de seus funcionários estão a AT&T, Deutsche Bank, Facebook, IBM e JPMorgan; que pela primeira vez, este ano, questionou sua equipe quanto o desejo de compartilhar suas preferencias e identificações sexuais.

A iniciativa tem dividido opiniões: há quem goste de poder falar da vida pessoal sem receio de sofrer represálias e há quem tema que algum funcionário homofóbico vaze a informação a fim de prejudicar o colega – especialmente àqueles que trabalham ou viajam a trabalho para os mais de 76 países onde a homossexualidade é crime.

ID:59701145

Para manter os funcionários em segurança e proporcionar sua visibilidade (finalmente os homossexuais podem ‘sair do armário’ à vontade), as empresas se atentam aos detalhes. A American Express, por exemplo, só adicionou a pergunta a respeito da identificação de gênero nos países onde a homossexualidade é garantida por lei.

gaywork2

 

Comentários

Comentários

Adele Grandis: Taurina com ascendente em touro - isso explica muita coisa!