Cresce o número de denúncias de abuso sexual no metrô de São Paulo

metroab4

No último ano, o registro de casos de abuso sexual ocorridos no metrô de São Paulo, registrados pela Polícia Civil, cresceu 28% – passando de 96 para 123 ocorrências entre 2014 e 2015. Este é o maior número contabilizado em cinco anos – segundo dados da dados da Delpom (Delegacia de Polícia do Metropolitano), responsável pelo registro e investigação dos crimes ocorridos no sistema de transporte sobre trilhos em São Paulo.

metroab1

De acordo com os órgãos envolvidos nos casos (PC, Metrô, CPTM, Secretaria de Segurança Pública e afins), os dados são reflexo positivo da campanha de conscientização iniciada pelo Metrô em 2014 e intensificada em 2015. Infelizmente, nem todas as vítimas prestam queixa e/ou recorrem aos oficiais da empresa para relatar o incidente, mas estamos mais próximos da realidade conforme a manifestação das pessoas.

metroab5

Abusos como passadas de mão e encoxadas, os mais recorrentes, não são considerados crimes e sim contravenção penal (delito leve). Ou seja, o agressor não pode ser preso, mas tem de arcar com multa como pena estabelecida em lei pela importunação ofensiva ao pudor.

Já o estupro é crime hediondo, descrito por lei como um ato libidinoso violento e o agressor pode responder com condenação de seis a dez anos de reclusão. E existe estupro nos transportes públicos sim! Em média, um caso no metrô é registrado a cada 155 dias. Porém, boletins de ocorrência de estupro no sistema metroviário são ainda menos frequentes. Entre janeiro de 2011 e agosto de 2015, a polícia registrou 11 casos de estupro no metrô paulistano.

metroab6

De acordo com o estudo ‘Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde’, feito pelo IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), do governo federal, 527 mil mulheres são estupradas por ano em todo o país e somente 10% desses casos chegam à polícia.

Além da campanha de conscientização intensificada (com cartazes nas estações e nos trens, distribuição de panfletos e veiculação de mensagens nos monitores dos trens e nos perfis oficiais da Cia nas redes sociais), o metrô dispõe de treinamentos para que seus funcionários saibam como coibir a ação de abusadores e amparar as vítimas.

metroab2

Ainda assim, todo e qualquer usuário do metrô pode contribuir fazendo denúncias através do serviço SMS-Denúncia do Metrô (97333-2252), que garante total anonimato ao denunciante. As mensagens são encaminhadas ao Centro de Controle de Segurança, que destaca os agentes mais próximos para verificação imediata e providências.

Descrever características físicas e roupas do assediador é de extrema importância para que o mesmo seja localizado. 89% dos abusadores descritos pelas vítimas são detidos pelos agentes metroviários e encaminhados para a Delpom.

metroab3

A Secretaria de Estado da Segurança Pública também participa ativamente do combate ao assédio, junto ao DECADE (Departamento de Capturas e Delegacias Especializadas). Em 2015, quatro suspeitos de estupro cometidos no metrô e na CPTM foram presos.

O trabalho policial foi intensificado a fim de reduzir as ocorrências de importunação ofensiva ao pudor. A efetividade se dá graças ao monitoramento por câmeras de segurança e agentes infiltrados em vagões para observar e atuar em caso de atitudes suspeitas, principalmente nos horários de pico.

metroab7

Comentários

Comentários

Adele Grandis: Taurina com ascendente em touro - isso explica muita coisa!