Blackblocs da DC vestem vermelho e amarelo

Jovens desajustados – pela vida ou sociedade – se tornam uma gangue de vigilantes levando adiante o legado do homem-morcego em defesa de Gotham City. Este é plot central de “We Are Robin”, nova revista da DC Comics que deixa o leitor ansioso pelo que acontecerá em seguida.

we_are_robin_by_e-mann

A HQ nos apresenta Duke Thomas que está em busca implacável pelos pais. Tudo toma um rumo mais interessante quando ele é recrutado pelos Robins.

we_are_robin_01Até aí parece mais uma turminha muita louca que defende seu bairro. Na verdade, as motivações dos integrantes da gangue são obscuras e poucos exploradas, mas de cara dá para sacar que o que levou cada um deles a sair de vermelho e amarelo por aí foi algo pesado e doloroso.

A leitura é muito boa, porque esse grupo de anti-heróis tem personalidades bastantes conflitantes. Em alguns momentos, parece que não há confiança entre eles e tudo isso é vivenciado pelo leitor através dos olhos de Duke. É ele quem apresenta esse lado barra pesada do universo do Batman.

we_are_robin_02Diferente dos Novos Titãs, os Robins são pessoas que apanharam mais da vida. E o drama de cada um deles será apresentado no decorrer das histórias. Na edição #3, os personagens são obrigados a lidar com uma morte, o que torna o número seguinte um presente para qualquer apreciador de quadrinhos.

A arte de James Harvey é de se contemplar! A história de Lee Bermejo nos leva mais a fundo na vida dos personagens. Conhecemos mais detalhes de suas personalidades, principalmente a de Riko (a minha preferida! <3). A participação da Batgirl é emocionante.

we_are_robin_03

“We Are Robin” tem muito apelo por apresentar jovens que decidem ser um diferencial para o local onde vivem, tornando-se símbolos de algo positivo e transmitindo uma mensagem com isso. Serve também de reforço para nos lembrar que muitas vezes este símbolo pode vir de qualquer pessoa.

Comentários

Comentários

Victor Hugo Batista é designer, carioca, grisalho, taurino, fã de Florence + the Machine, urso, budista, colecionador de action figures. Tudo isso misturado em 1,90 m da mais pura nerdice.