APOGLBT e o futuro da Parada de 2016

Colaboração de Felipe Oliva*

Dia 03.09, quinta-feira, acontece uma reunião para debater a parada do orgulho LGBT de São Paulo de 2016. Dentre os temas a serem discutidos devem estar o modelo da parada, o espaço para as pessoas LGBT, o tema da próxima edição e a venda de pulseiras e espaços para trios.

Com a reunião, a Associação da Parada parece oferecer mais espaço para participação do movimento LGBT, assim respondendo às críticas que vem sofrendo nos últimos anos e se fortalecendo contra a redução do financiamento da parada.

Crítica do movimento de pessoas transexuais

Em 2014, a Parada do Orgulho LGBT foi alvo de reclamações do movimento de transexuais e travestis por, mais uma vez, deixá-las(os) de lado. Como apontado pela ativista Daniela Andrade em abaixo-assinado, os lemas das paradas paulistanas nunca mencionaram as palavras “transexual” e “transfobia” e apenas citaram “lésbica” e “travesti” uma única vez, em 1998.

Em 2015, o tema “Eu nasci assim, eu cresci assim, vou ser sempre assim, respeitem-me” também foi criticado por pessoas transexuais e travestis, que não “nasceram assim” e não se viram representadas no tema.

Redução do financiamento

Em 2015, a Parada sofreu uma ofensiva da Prefeitura de São Paulo, que decidiu não bancar as despesas da feirinha cultural por suposta falta de recursos. Considerando que o orçamento da cidade é de 51 bilhões de reais e que a parada traz muito dinheiro para a cidade, é difícil acreditar que a medida não seja apenas uma tentativa de enfraquecer a Associação e tentar tirar a direção da parada de suas mãos.

Petrobrás LGBT

SIC Petrobras (Reprodução própria)

A redução do financiamento não veio apenas da Prefeitura, mas também da Petrobras, principal doadora da Associação, ao lado da CEF. Desde 2007, a Petrobras vinha doando 200 mil reais anualmente, aumentando para 220 mil em 2014 e retornando aos 200 mil em 2015, segundo informações do presidente da Associação. Surpreendentemente, talvez a Operação Lava Jato também alcance a Parada.

A Parada é nossa maior arma contra o conservadorismo

A exclusão da palavra “gênero” nos programas municipais de educação foi apenas a mais recente demonstração de força do conservadorismo.

A onda reacionária em que vivemos torna especialmente importante que a população LGBT aproveite e ocupe os poucos espaços públicos conquistados. A reação gerada pela fantástica performance de Viviane Beleboni como Cristo não deixa dúvida de que a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo continua podendo influenciar positivamente o debate público em favor das LGBT.

viviany

Modelo Viviany Beloboni na 19ª Parada do Orgulho LGBT

O lema da parada é um meio importante de gerar debate, especialmente em favor dos segmentos mais invisibilizados. Após o direito ao casamento igualitário ter sido reconhecido pelo Supremo Tribunal Federal e de a proposta de criminalização da homotransfobia ter sido arquivada, está mais do que na hora de o movimento gay tentar pagar parte de sua “dívida” com as demais letras do segmento e dar-lhes espaço no tema da parada.

O STF está para julgar há anos uma ação (ADI 4275) que garantirá o direito de transexuais terem seus documentos corrigidos, independentemente de terem se submetido à esterilização. Adotar a aprovação da Lei João Nery como lema da parada de 2016 certamente fará com que a ideia seja amplamente debatida e pressionará o Supremo a julgar mais rapidamente a ação.

Essa reunião do dia 03 acena para um novo momento da parada. É importante aproveitar essa chance para melhorar nossa maior manifestação política.

O quê? Reunião sobre a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo de 2016
Quando? Dia 03.09.2015, quinta-feira, das 17h30 às 20h00
Onde? Sindicato dos Comerciários, R. Formosa, 99, 12º andar, Centro (no Vale do Anhangabaú)

Segue o convite da APOGLBT

“A APOGLBT, na pessoa de seu Presidente Fernando Quaresma, e se estendendo a Diretoria executiva, convida a todas as figuras de expressão e militantes do cenário LGBT brasileiro do Estado de São Paulo, para um debate referente agenda Política, Educacional e Social da Comunidade LGBT, e uma discussão aberta sobre a próxima Parada de 2016, sobre a escolha do tema, das ações a serem realizadas na Parada e seus eventos correlatos, uma analise do modelo atual da parada, e assim possamos em conjunto dar voz e representatividade a todos representantes de cada Letra LGBT.

O encontro será realizado no Sindicato dos Comerciários, localizado a Rua Formosa, nº 99 – 12º andar no dia 03/09/2015 das 17h30 às 20h00. (Fica ao lado da Estação Anhangabaú do Metrô)

OBS: A reunião inicialmente foi prevista para ocorrer na primeira quinzena do mesmo de Agosto, porém, devido à votação do PME que envolveu boa parte da militância, a data foi cancelada naquela ocasião.

Contamos com a presença de todas (os).
Desde já agradecemos pela atenção!

Fernando Quaresma de Azevedo
Presidente APOGLBT-SP”


* Felipe Oliva é viado da Mooca, formado em direito, trabalha na área, fez parte do Conselho LGBT paulistano.

 

Comentários

Comentários

ACT Redação é o seu robô preferido.