Dando uma pinta por Santiago

Tempo seco em Santiago - Foto: Arquivo Pessoal

Dos destinos mais conhecidos da América do Sul não há dúvida de que Santiago está entre as cidades mais populares. Diria, inclusive, que dentre as grandes cidades esta uma das mais sensacionais. E isso não tem a ver apenas com os maravilhosos chilenos que, apesar de terem a fama de serem mais frios que outros povos da América do Sul, são extremamente hospitaleiros e abertos em conhecer os turistas que pisam por lá.

Separamos algumas dicas para você, que está louc@ para tirar uma férias sem gastar muito e conhecer uma nova cultura. Então, segura as malas e vem com a gente!

CLIMA

Tempo seco em Santiago - Foto: Arquivo Pessoal

Tempo seco em Santiago – Foto: Arquivo Pessoal

O amor é tanto que vamos começar falando de um ponto negativo: Santiago é muito seca.  E você vai descobrir isso da pior forma possível, especialmente se chegar lá de avião. Enquanto você espera suas bagagens aparecerem na esteira, muito provavelmente você vai tod@ feliz buscar um carrinho para carregá-las e, ao tocar no carrinho, você vai levar um choque! Isso mesmo, um choque! Parecido com aquele quando batemos o cotovelo. A secura do ar gera muita eletricidade estática e, por isso, tocar em metal faz com que o nosso corpo reaja.

Além disso o calor é um fator agravante. Para os adeptos a regatas e roupas leves essa pode ser uma notícia boa.

LOCOMOÇÃO

Plaza Baquedano - Foto: Redes Sociais

Plaza Baquedano – Foto: Radio Candela Chile

O que Santiago tem de bom assim pra amarmos tanto essa cidade? Bem, primeiro, o sistema de transporte é muito bom, tanto metrô, quanto ônibus. Não é uma rede metroviária grande, mas as linhas que existem são excepcionalmente planejadas e você consegue chegar bem a qualquer local dentro da região metropolitana.

Além disso, os trens e estações, que não são super modernos, cumprem muito bem o requisito e a regularidade dos trens. Ah, e o preço das passagens é bem camarada: entre 610 e 720 pesos chilenos, a depender do horário, atualmente em torno de R$3,15 e R$3,70. Lá eles também têm uma espécie de bilhete único, vale se informar assim que chegar.

TURISTANDO

Palácio de La Moneda| Sede da Presidência da República do Chile - Foto: Arquivo Pessoal

Palácio de La Moneda| Sede da Presidência da República do Chile – Foto: Arquivo Pessoal

Outro aspecto bacana dessa cidade é a parte histórica. Você encontrará a história da formação da cidade em todo lugar, mesmo em pontos mais distantes do centro. Desde o Palácio La Moneda (sede do Governo Federal Chileno), com sua ampla praça em frente, repleta de estátuas dos governantes, incluindo a de Salvador Allende (covardemente deposto e morto pela ditadura de Pinochet) até o Museu de História Natural e Museu da Memória e dos Direitos Humanos.

Aviso para os mais humanitários: O Museu da Memória e Direitos Humanos pode te levar as lágrimas. Além das questões sociais retratadas, ele apresenta toda a memória do Chile, incluindo o último discurso de Salvador Allende antes do Palácio La Moneda ser bombardeado por Pinochet, um vídeo maravilhoso sobre a campanha do “NO” (arco-íris) no período em que Pinochet tentava se eleger, um mapeamento dos pontos de tortura no território chileno, além de diversos relatos de mulheres.

Memorial aos executados políticos durante a Ditadura Militar de Pinochet - Foto: Arquivo Pessoal

Memorial aos executados políticos durante a Ditadura Militar de Pinochet – Foto: Arquivo Pessoal

Se você gosta de História, vale também uma visita ao Cemitério Geral da Cidade onde está o túmulo de Allende e o mausoléu da família. O cemitério é enorme e você pode se perder por horas tentando encontrar. Lá também existe um memorial com nomes de executados políticos e desaparecidos do período militar.

NOITE

Parque Linear durante a noite| Ao fundo Cerro San Cristóbal - Foto: Arquivo Pessoal

Parque Linear durante a noite| Ao fundo Cerro San Cristóbal – Foto: Arquivo Pessoal

A vida noturna é SUPER agitada! Os chilenos e chilenas são muito charmosos e paqueradores! Para o público LGBTQ, um lugar indispensável é o bairro de Bellavista na região de Recoleta. Fica bem próximo as estações de metrô Bellas Artes e Baquedano, entre o Cerro de San Cristóbal e o Cerro Santa Lucia.

A rua badalada da região é a Pío Nono, e é bem similar ao clima da Augusta em São Paulo ou da Lapa no Rio de Janeiro, com a diferença que lá  também existem alguns tipos de “barracões” meio abertos que funcionam num clima de bar + balada. A região possui 3 boates LGBT: a “Club Principe”, a “Bokhara” (com excelentes shows de drags) e a “Prince”.

Vale lembrar que Santiago é uma das cidades mais seguras do continente americano e bem pouco violenta comparada ao resto. Em relação ao público LGBTQ é uma das mais gay-friendly também, mas, como qualquer Augusta-Lapa, fique sempre atento!

Essa é a entrada do bar Vox Populi! Facinho deduzir que tem um bar por alí né com essa fachada? Hahaha. - Foto: Google Street View

Essa é a entrada do bar Vox Populi . – Foto: Google Street View

A indicação de bar que farei agora é bastante especial: o bar LGBTQ Vox Populi! Com certeza será uma experiência diferente do que se está acostumado a ver pelo Brasil. Confesso que me perdi um pouco para encontrar o bar, muito mais porque o Google Maps aponta um lugar e uma foto imprecisa da fachada do bar, mesmo no Street View (fui verificar e até hoje está assim). O bar fica dentro de uma casa antiga e possui andares subterrâneos, superiores e uma área aberta também com mesinhas ao fundo! A questão é achar o bar, já que não tem “fachada”, apenas um portãozinho fechado e uma porta com alguns vidros iluminados por dentro. O local conta com mesas em área aberta ao fundo, além de um ótimo som.

O público varia bastante, podemos encontrar de lésbicas a ursos, mas quem predomina o local são os felinos. Isso mesmo, o bar é cheio de gatos andando por todos os lados. Os preços são aceitáveis e o atendimento é excelente (é fácil você se apaixonar pela diversidades dos atendentes e do público).

2 Terremotos na medida! Vai encarar? - Foto: http://www.davestravelcorner.com/

2 Terremotos na medida! Vai encarar? – Foto: http://www.davestravelcorner.com/

E, como dica nunca é demais, tem mais uma coisa que quem está conhecendo Santiago não pode sair sem provar: o terremoto! Um drink que pelo nome você sabe o que vem pela frente! O lugar mais tradicional para bebê-lo é no La Piojera, que fica ao lado do Mercado Central na estação de metrô de Cal y Canto. O lugar é antigo, tradicional e SUJO. O nome não é por acaso, você vai encontrar de tudo lá, turista, pobre, rico, bêbado, jovem, velho. O lugar pode ser chocante até para os mais acostumados a esses ambientes, mas ninguém está nem aí.

A bebida custa menos de R$10,00 e é feita com vinho branco, sorvete de abacaxi e fernet ou granadina e é servido num copo de 400 ml. A bebida é deliciosa, dessas que você bebe e acha que tá tudo bem até…o terremoto bater.

PARQUES

Cerro Santa Lucía - Foto: Arquivo Pessoal

Cerro Santa Lucía – Foto: Arquivo Pessoal

Fora a vida noturna, pode-se curtir um passeio e uma tarde jogado nos jardins/parques lineares de Santiago que percorrem boa parte do Rio Mapocho, o rio que atravessa toda cidade de Santiago vindo dos Andes. Você vai encontrar muitos jovens deitados na grama, se curtindo a céu aberto, inclusive LGBTQs.

Links úteis:
http://www.pubvoxpopuli.cl
http://www.lapiojera.cl

Comentários

Comentários

Marcos Lourenço é estudante de História. Apelidado de Trevor no teatro por admirar o ator Trevor Wright. 26 anos nas costas e vivendo um dia de cada vez como um bom pisciano. Cinéfilo que também gosta de games-livros-teatro. Sempre curioso e engajado já se meteu em poucas e boas.